Fertilização in vitro: saiba quanto tempo demora cada etapa do tratamento

A medicina reprodutiva tem se consolidado como uma ciência capaz de ajudar aqueles que querem ter filhos, mas, por uma série de motivos, não podem ou não conseguem. A fertilização in vitro (FIV) é uma alternativa para essas pessoas, sendo uma das técnicas de reprodução assistida mais utilizada atualmente.

Mesmo com a sua popularização, muita gente ainda desconhece os procedimentos envolvidos nessa técnica, o que contribui para a criação de uma série de dúvidas sobre a FIV.

1º passo – estímulo da ovulação: A FIV é uma técnica de fecundação do óvulo feita em laboratório (in vitro) e posterior aplicação no útero. Para isso, o primeiro passo da fertilização é a coleta dos gametas, ou seja, dos espermatozoides e dos óvulos. Geralmente, em um ciclo menstrual regular, a mulher produz um óvulo por mês. No processo da FIV, o primeiro procedimento é o estímulo hormonal para que, em um ciclo, ela produza mais óvulos e, consequentemente, o laboratório tenha mais material para formar embriões e aumentar as chances da gravidez. O estímulo consiste na administração de hormônios logo após a menstruação, o que pode levar de 8 a 12 dias. Nesse período, há um acompanhamento médico e de ultrassonografia para observar a formação dos óvulos. Quando estes se tornam maduros, é hora de retirá-los e prepará-los para a fecundação em laboratório.

2º passo – punção dos ovários: Nessa etapa do procedimento, a mulher é sedada para evitar desconfortos na retirada dos óvulos. Com a ajuda da ultrassonografia, uma seringa acoplada a tubos preparados para receber os gametas é inserida na vagina e os óvulos maduros são “aspirados”. Uma vez retirados, estes são congelados (em caso de armazenamento dos gametas para fertilização no futuro) ou preparados para a fecundação.

O processo de coleta do gameta do homem é mais simples, feito por meio da  masturbação e posterior armazenamento do esperma. Ambos os materiais são analisados e preparados pelo laboratório para realizar a fertilização in vitro.

3º passo –  fecundação: Com os gametas no laboratório é hora de uni-los para formar os embriões. Existem duas formas de fazer isso: FIV tradicional: a forma clássica de união dos gametas. Os óvulos e espermatozoides são colocados no mesmo espaço para que ocorra a junção de ambos de forma espontânea; e ICSI (Intra citoplasmatic sperm injection): os melhores espermatozoides são separados e colocados nos óvulos com a ajuda de micro manipuladores que estão acoplados ao microscópio. Em um prazo médio de 24 horas já é possível identificar se a fecundação ocorreu e quantos embriões foram produzidos. Nestes primeiros dias, os embriões são monitorados e podem, inclusive, ser feitos testes para identificar alterações nessas primeiras células que comprometeriam o desenvolvimento da gestação.

4º passo – transferência embrionária: A transferência do embrião para o útero pode ocorrer entre o segundo ou sétimo dia após a fecundação no laboratório. O dia exato depende de cada caso e das práticas da clínica. Durante o tratamento, o embrião continua se desenvolvendo, o que significa aumento da divisão celular e a preparação das células para adesão ao endométrio. Há situações em que os embriões precisam ser congelados até o momento ideal para aplicação no útero.No ato da transferência, o médico manipula os instrumentos com o auxílio de aparelhos de ultrassonografia que permitem a visualização do útero e do local onde os embriões serão depositados.

5º passo – teste de gravidez: O período pós-transferência é caracterizado pela ansiedade e expectativa para o resultado da fertilização. Portanto, essa é uma fase em que se deve priorizar o cuidado mental e equilíbrio emocional para encarar o resultado, seja ele positivo ou negativo. Nesse período algumas mulheres relatam sintomas como dor de cabeça, desconfortos abdominais ou cólicas. Outras falam também de um pequeno sangramento, que geralmente pode ocorrer devido ao procedimento de transferência. De toda forma, é importante manter o médico informado sobre todos os ocorridos.Após mais ou menos 11 dias é feito o teste de sangue Beta HCG, que tem o objetivo de confirmar o sucesso da transferência. O resultado positivo já é o primeiro sinal de uma fecundação que deu certo. Entretanto, como em qualquer outro processo de gestação, novos exames precisam ser feitos para monitorar o sucesso e a continuidade da gestação. Em torno de 10 dias após esse primeiro exame, alguns médicos recomendam a realização de um ultrassom para confirmar a gravidez.

Por Luiz Fernando Gonçalves Borges – médico ginecologista e obstetra, pós-graduado em Reprodução Humana